O VIDRO E AS SUAS COLECÇÕES

Este texto foi elaborado a partir de um catálogo de exposição «O Vidro em Portugal», coordenado pela signatária e Paulo Oliveira Ramos, como abaixo mencionamos, que foi actualizado em fase posterior, designadamente no que respeita à Bibliografia e novas colecções entretanto conhecidas. 





Taça de vidro proveniente de Balsa, publicada por Jorge de Alarcão.

«Consideras-te, Cecílio, um tipo janota. Não o és, vai por mim. O que és então? Parolo, como quinquilheiro transtiberino que troca fósforos amarelos de enxofre por vidros partidos» Marcial, Epigramas, I, 41 Porque o catálogo da exposição «O Vidro em Portugal», 1989, (coord. Filomena Barata e Paulo de Oliveira Ramos) é díficil de encontrar, tentaremos dar aqui conhecimento de um dos seus anexos, a lista de Museus e instituições públicas portuguesas com colecções ou peças de vidro em território Nacional.


Vidros provenientes da Ammaia. Fotografia José Manuel Jerez Linde

Vidros Romanos, in «O Vidro em Portugal»

Este catálogo foi o resultado de uma exposição realizada no Museu Nacional de Arte Antiga, cuja organização se deveu à Associação Portuguesa de Arqueologia Industrial, com a colaboração desse Museu e da Fundação Calouste Gulbenkian, onde tive o prazer de participar. Em fase mais recente, o Museu Nacional de Arqueologia e o Museu D. Diogo de Sousa tiveram ao público uma exposição “Vita Vitri – O Vidro Antigo em Portugal“, que deu a conhecer não só o acervo vítreo de inúmeras colecções, como permitiu aferir os anteriores conhecimentos. Vale a pena consultar a bibliografia actualizada no mesmo catálogo (Museu de Arqueologia e Museu D. Diogo de Sousa, 2009), pois a restante contava já do Catálogo acima mencionado.
Segundo o historiador romano Plínio, o vidro foi descoberto acidentalmente devido a alguns mercadores Fenícios que o introduziram por volta do ano 5000 a.C. Desembarcados às margens do rio Belo, na Síria, acenderam uma fogueira de campo e usaram para apoiar as panelas alguns blocos de nitrato de sódio retirados da carga que transportavam. Na sua «História Natural», asim se refere Plínio: “… o natrão, fundindo-se por causa do calor do fogo e misturando-se com a areia da praia, originou um novo l¡quido transparente formado dessa mistura…” Esta lenda lenda, deve-se provavelmente ao facto de que muitas vidrarias na Antiguidade e ainda nos tempos de Plínio se abastecerem de areia das margens do rio Belo. Mas o vidro é esse material que aparece como que por milagre da fusão da sílica com alcális e metais que lhe dão a coloração, cuja descoberta alguns autores da Antiguidade atribuíram ao deus do fogo Hefesto, para os Gregos, e Vulcano para os Romanos. Essa massa que, soprada ou moldada, origina objectos transparentes dos mais belos que o Homem produz, libertando-se ainda mais quando sopro o deixa de condicionar aos moldes que os metais já haviam conhecido. Os Romanos produrizam também vidro plano, a vidraça, existindo no terrirório actualmente português vários exemplares de vidraça, cujo fabrico se processava vazando a pasta líquida num receptáculo de superfície lisa, por exemplo em pedra  em madeira ou em barro, sendo comum encontrar as marcas das pinças do vidreiro que documentam o momento em que a pasta vítrea (já não líquida mas ainda mole) era esticada, como é o caso do fragmento de Scallabis. O seu fabrico e utilização «Talvez se enquadre mais num momento de renovação arquitectónica, uma vez que a utilização de vidro em monumentos arquitectónicos se torna muito comum no primeiro século da nossa Era, embora seja já conhecido em 60 a.C. nomeadamente no forum de Pompeia (Forbes, 1957, p. 182-183), e que a utilização de objectos de vidro em Scallabisse vulgariza a partir de meados do século I d.C». cit. in Antunes, Ana Sofia, 2000, Vidros romanos da Alcáçova de Santarém, Revista Portuguesa de Arqueologia . volume 3. número 2.http://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/3_2/9.pdf Sobre os tipos de vidro romano conhecidos, daremos conta no Glossário deste mesmo blogue e aconselhamos a consulta de: http://www.cmog.org/dynamic.aspx?id=262

Da Proto-história à Idade Média

Os mais antigos vestígios de vidro em Portugal remontam ao II milénio antes de Cristo. Trata-se de 35 pequenas contas com várias formas e cores, provenientes da necrópole da Idade do Bronze da Atalaia (Ourique, Alentejo). A sua presença «testemunha significativos contactos – devidos à riqueza mineira da região – entre as populações autóctones e os prospectores e comerciantes de metais originários do Mediterrâneo Oriental».
«O desenvolvimento destas relações, entre os séculos VIII e V a. C. conduziu – na área de influência do legendário reino de Tartessos – ao florescimento do importante surto civilizacional que foi a primeira Idade do Ferro do Sudoeste, responsável pela introdução, naquela zona, da escrita, da redução do ferro e da cerâmica fabricada ao torno. Entre os ricos espólios funerários exumados, que incluem alguns tesouros contendo jóias de ouro e prata, encontram-se numerosos colares com contas de vidro provenientes de diversos centros produtores mediterrânicos. Conhecem-se hoje cerca de um milhar dessas contas, oferecendo grande variedade formal e decorativa.» Importantes achados foram feitos em Sines, Silves, Monforte, Ourique, Figueira da Foz, Conimbriga, Setúbal e Santarém. Alguns dos elementos encontrados fazem crer que existiu uma produção local ou regional.
Baseado no texto de Mário Varela Gomes



Tesouro do Gaio. Museu de Sines
© DGPC. Arquivo Fotográfico MNA/Carla Barroso
«Até à pacificação augustana, a importação de vidros foi escassa em toda a Península Ibérica. Durante as primeiras décadas do Império, a Lusitânia conheceu praticamente todos os fabricos em voga, mas foi só pelos meados do século I d.C. que os vidros entraram no quotidiano das populações, ao generalizar-se a técnica do sopro livre* que permitiu produzir, rapidamente, grandes quantidades e diversidades de formas, a preços reduzidos. Com efeito, os vidros-mosaico e os vidros vasados ou prensados em molde exigiam muita mão-de-obra para acabamentos, e a variedade de cores imitando pedras semi-preciosas, que em regra ofereciam, era resultante de matéria-prima cara e de um grande domínio técnico. «Até ao momento presente, Conimbriga oferece a melhor representação destes tipos de vidro encontrados em Portugal. Infelizmente, a natureza dos achados – lixeiras e níveis de demolição e entulhamento antigos – não permite que tenhamos mais do que um mostruário de pequeníssimos fragmentos; todavia, para quem conhece a vidraria romana, ele é suficiente para nos provar que a esta pequena cidade chegaram, em todos os tempos, peças raras, de excelente qualidade. Entre os vidros do século I a. C. salientam-se as taças […]. Da primeira metade do século seguinte ou, para algumas formas, um pouco mais tarde, avultam os vidros duplos e os salpicados, as taças caneladas obtidas por cera perdida, e os Skyphoi talhados ou afeiçoados por pacientes lapidadores, as taças sopradas em molde e decoradas com cenas desportivas.» Às facilidades decorrentes do sopro livre, vieram juntar-se as vantagens económicas do vidro sódico transparente e incolor que Plínio afirma estar, à data em que escrevia a sua História Natural, a praticar-se não só em Itália mas também nas províncias da Gália e da Hispânia. Os vidros totalmente incolores – preferidos a partir dos finais do século I – tinham uma transparência que se prestava melhor que todas as experiências exteriores a valorizar a lapidação, a gravação e a aplicação de fios em relevo, técnicas que os vidreiros de Alexandria e Colónia desenvolveram ao mais alto nível técnico e artístico. Do final do Império e perdurando pelo período seguinte, conhecem-se muitos exemplares de taças e lamparinas de vidro esverdeado cujo fabrico acusa a rápida decadência que esta arte conheceu a partir de meados do século IV. Adília Alarcão



Gema de pasta vítrea com representação de javali. Proveniente da "Cidade da Escória" - Terra Fria (Constância). Encontrada em trabalhos arqueológicos por Álvaro Batista. 
Século I a.C. Fotografia e legenda gentilmente cedidas por Graça Cravinho



Sabe-se também que, no caso específico das gemas - também as havia em pasta vítrea - e usando as palavras de Graça Cravinho«para a gravação, o artista começaria por traçar nas gemas o esquema prévio dos motivos pretendidos com um punção de diamante. Efectivamente, a observação de diversas gemas inacabadas permite-nos concluir que se começaria por traçar o contorno da figura com uma ponta de diamante, gravando uma linha um tanto afastada da figura definitiva, como se fosse um prévio esboço a lápis – uma técnica que mais tarde foi também descrita por Natter. Depois, e após recobrir a parte superior das gemas com uma substância semelhante à cera, ele desenhava as suas formas gerais, gravando-as de seguida. Quase todas eram gravadas ao contrário, para que ficassem na posição em que deveriam ser vistas ao serem impressas (em cera ou lacre) – isto no caso de as gemas servirem como sinete. Uma vez gravada pelos gemmarum sculptores (ou gemmarum scalptores), a gema era polida pelo gemmarum politor com pó de grés do Levante, naxium, esmeril (smyris) ou ostracias. Esse polimento era já efectuado pelos artistas Gregos, Etruscos e helenísticos. Mas, neste último caso, e tal como entre os Romanos, o polimento atingiu um alto nível. 
Era um trabalho árduo, o desses gemmarum sculptores, cujos olhos estavam sujeitos a um esforço contínuo que lhes provocava um enorme cansaço. Natter considerava a arte de gravar pedras duras “uma arte penosa e desencorajante” – pela necessidade de dominar bem as técnicas do desenho e de adaptá-las ao método de gravação; pela ausência de perspectiva e pelo pequeno tamanho das gemas. Infelizmente, não temos elementos que nos permitam assegurar que as lentes de cristal-de-rocha polidas, encontradas num túmulo perto de Cnossos, possam estar relacionadas com a gravação de gemas. Pequenas lentes (lentóides), algumas com qualidades ópticas, foram também descobertas em várias estações arqueológicas tardo-helenísticas e romanas. Mas, há também casos de lentes encontradas em oficinas de entalhadores de gemas, nomeadamente em Pompeia, onde lentes em tom verde-claro apareceram entre gemas gravadas, num local que parece ter sido uma oficina. Plínio informa-nos mesmo que, para obviar o cansaço provocado nos olhos, os artistas colocavam sobre eles um vidro tingido de verde ou uma lâmina de plasma (quartzo em tom verde-seco) ou uma esmeralda (smaragdus). O que faz supor que já então se acreditaria que o verde descansa a vista – o que, aliás, era já afirmado por Teofrasto (filósofo e naturalista grego que viveu entre 371 a.C. e 287 a.C.), que dizia mesmo que as pessoas usavam pedras verdes nos anéis para que pudessem olhar para elas».
Graça Cravinho.


Na imagem; Taça de vidro com inscição fondi d'oro , publicada por Jorge de Alarcão, Une coupe à fond d'or découvert à Farrobo, Portugal in Journal of Glass;
Studies, volume 10, New York, 1969, p. 71 a 79; A. Alarcão, M. G. Varela, Da Proto-História aos alvores da idade média in A.A.V.V., O vidro em Portugal, Lisboa, 1989, p. 22 e M. F. de M. Pires. Documentos arqueológicos para a história das origens do Cristianismo em Portugal. Coimbra: M.F.M. Pires, 1967, p. 135 a 137, tem uma inscrição a fio de vidro dourado de finais do século III a IV d. C.. Foi encontrada em Aljustrel e tem um caráter único
Sobre este tema, poderá ler ainda; Testemunhos artísticos no vidro romano português
Ana Júlia Soares Dinis Coelho.
«Na época em que os povos germânicos se instalaram na área do antigo Império Romano do Ocidente, há a referir três estilos de produção vidreira: o vidro bizantino, de tradição romana, no Leste da bacia mediterrânica; o vidro sassânida, de tradição local caldeada com os cânones médio-orientais, na área da Mesopotâmia; e o vidro germânico, simbiose do legado romano com as tradições dos novos colonizadores, na Europa Ocidental. Trata-se, em qualquer dos casos, de vidro sódico. Em Portugal, os achados de vidro da época da dominação sueva e visigótica são raros. Conhecem-se todavia alguns vasos ápodos datáveis dos séculos V-VI» A utilização de produtos nacionais fez-se concomitantemente à do cristallo veneziano, nessa época em expansão e já em uso no nosso país. Este facto documentam os fragmentos de peças do tipo vetro a fili e vetro a reticello, a todos os títulos dignos de realce, provenientes do claustro da Igreja de Santa Cruz de Coimbra. Tais peças remetem para uma modalidade decorativa largamente praticada pelos vidreiros venezianos desde o segundo quartel do século XVI».

Manuela Almeida Ferreira  
Fontes e extracção dos textos acima citados: Adília Alarcão; Mário V. Gomes, “Da Proto-História aos alvores da Idade Média”, in cat. O vidro em Portugal, 1989 e de Manuela Almeida Ferreira

COLECÇÕES PÚBLICAS E PRIVADAS COM VIDRO ROMANO.
COLECÇÕES PÚBLICAS(1):

DISTRITO DE AVEIRO
Museu Regional de Arte Sacra, Arouca, Aveiro Museu De Aveiro

DISTRITO DE BEJA
Museu Rainha D. Leonor, Beja
Museu Municipal do Crato, Crato
Museu Municipal de Mértola, Mértola


Câmara Municipal de Moura, Moura
Museu da Lucerna, Castro Verde (????) Confirmar

DISTRITO DE BRAGA
Museu D. Diogo de Sousa, Braga
Museu Martins Sarmento (Sociedade Martins Sarmento), Guimarães

DISTRITO DE BRAGANÇA
Museu do Abade Baçal, Bragança
DISTRITO DE CASTELO BRANCO
Museu de Francisco Tavares Proença, Jr., Castelo Branco

Museu Municipal do Fundão

DISTRITO DE COIMBRA
Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras, Coimbra
Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra
Museu Monográfico de Conimbriga, Condeixa-a-Nova


Vidros provenientes de Conímbriga. Museu Monográfico de Conímbriga. Fotografia Susana Leite.


Museu da Villa Romana do Rabaçal
Museu Municipal Dr. Santos Rocha, Figueira da Foz
Biblioteca-Museu Municipal da Lousã, Prof. Álvaro Viana Lemos, Lousã

DISTRITO DE ÉVORA

Museu de Évora




Direcção Regional de Cultura do Alentejo, Rua de Burgos, 5, Évora

in: FERREIRA, Manuela Almeida, 2012,  Vidro arqueológico da Casa Gouveia (Évora).  Do Vidro Romano ao Vidro Industrial. Portvgalia, Nova Série, vol. 33, Porto, DCTP-FLUP, 2012, pp. 73-106.

Câmara Municipal de Vidigueira, Vidigueira  
Fundação da Casa de Bragança, Vila Viçosa 

DISTRITO DE FARO
Museu Municipal de Faro
Museu Regional de Lagos
Centro Interpretativo do Cerro da Vila, Loulé, Faro
Museu Municipal de Arqueologia, Silves

DISTRITO DA GUARDA

Museu da Guarda, Guarda

Museu do Sabugal






DISTRITO DE LEIRIA

Galerias de Rio Maior





 Fragmento de Vidro Millefiori, Rio Maior. 

GALERIA MUNICIPAL (EXPOSIÇÃO PERMANENTE) - ESPÓLIO DA VILLA ROMANA


DISTRITO DE LISBOA
Museu Hipólito Cabaço, Alenquer
Câmara Municipal de Cascais, Cascais
Museu Biblioteca dos Condes Castro Guimarães, Cascais
Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa


Exemplar dos séculos III-IV (ou posterior ?), pertencente ao acervo do Museu da Fundação Calouste Gulbenkian.
Vidro romano
A. 15 cm
Inv.° 1034

Museu da Cidade de Lisboa
Museu de Geologia e Arqueologia dos Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa

Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros, Lisboa. 





Vidro com representação de peixe. Rua dos Correiros Foto Anabela Sobral

Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa





Unguentário de vidro. SéculosI d.C. - II d.C.. Vidro azulado, com inúmeras bolhas de ar e ligeiramente picado. Técnica: Soflagem Dimensões (cm):altura: 10,2; diâmetro: 7,3; DeUnguentário de vidro do tipo Isings 28 b. Corpo piriforme, fundo plano, bordo virado para o exterior.
Origem / Historial:Oferecido ao Director do Museu Nacional de Arqueologia pelo Sr. Francisco da Silveira Viana com a indicação que este unguentário provinha do cemitério romano de Aljustrel.
Legenda e fotografia partir de:




Urnas cinerárias em vidro. MNA

Garrafa de vidro, proveniente do Campo da Trindade, Faro. MNA «Tipo Isings 104. O reservatório é esférico, o gargalo é afunilado, o fundo é ligeiramente côncavo, o bordo é de arestas aparentemente polidas ao torno. O bojo apresenta decoração executada à roda por abrasão, composta por três medalhões circulares separados por elementos estilizados com braços curvilíneos. Cada um dos medalhões apresenta, no seu interior, a representação de um animal: urso, touro e javali. O primeiro virado à direita, os outros dois para a esquerda. Os contornos do urso e do javali são parcialmente desenhados por pequenas linhas oblíquas e os pêlos por linhas em ziguezague. O touro apresenta uma linha cruzada entre os chifres, tem uma coleira à volta do pescoço e três estrelas gravadas. Os olhos são representados por losangos atravessados por uma linha pelo diâmetro». (Segundo Alarcão, op.cit). Vidro verde com numerosas bolhas de ar, algumas impurezas negras e ligeiras estrias da soflagem». (Segundo Alarcão, op.cit). Vidro verde com numerosas bolhas de ar, algumas impurezas negras e ligeiras estrias da soflagem.





Copo. Século IV – V d.C. Balsa. MNA. «Trata-se, de facto, de uma taça de vidro pertencente a um espólio funerário da necrópole norte da cidade de Balsa, recolhido por Estácio da Veiga em 1887. Pertence a uma colecção de 200 objectos, dos quais 50 em vidro.Corresponde à fase mais tardia para a qual se conhecem objectos da necrópole (2ª metade do séc. IV ou talvez a 1ª década do V). No catálogo sistemático de vidros de Balsa publicado por Jeannette Smit-Nolen tem o nº vi-97. (Cerâmicas e Vidros da Torre de Ares. Balsa, MNA/IPM, Lisboa, 1994: p. 195, tabela de vidros na p. 234, estampa 39 vi-97 e fig. 14)». in: NOLEN, J. (1994) – Cerâmica e vidros de Torre de Ares, Balsa incluindo o espólio ósseo e medieval. Lisboa: Instituto Português deMuseus, Museu Nacional de Arqueologia.



Museu Arqueológico de S. Miguel de Odrinhas, Sintra




Balão de vidro, século II d.C., pertencente ao espólio funerário de uma sepultura de incineração da necrópole romana de Casal de Pianos, São João das Lampas, Sintra.
Fotografia e legenda: Museu Arqueológico de S. Miguel de Odrinhas.

Copo de vidro incolor, decorado com fios aplicados. Século Ii. Casal de Pianos. Sintra. Museu deOdrinhas

Almada e Arredores (segundo informação gentilmente fornecida por Luís Barros) MAH Museu de Arqueologia e História, Olho de Boi, Almada CAA Centro de Arqueologia de Almada, Almada, privado. Museu Municipal de Alcochete, Alcochete.
«Uma vez que o Concelho de Almada não é muito rico em vestígios de época romana….o mesmo se dirá dos vidros. Os objectos mais antigos que possuímos datam da Idade do Ferro e são provenientes de contextos arqueológicos dos Séc.VIII a IV a.C. recolhidos na Quinta do Almaraz (Cacilhas, Almada). Contas de pasta vítrea multicor, rancas, azuis e oculadas. Também existe um fragmento de amphoriscus de pasta multicor.( MAH). Contas de vidro de período romano republicano foram recolhidas nas recolhas efectuadas nas sapatas para a construção da FCT, UNL na Torre de Caparica (Caparica, Almada) (CAA).






Bordo de taça da Quinta do Chegadinho. Fotografia Luís Barros

Trabalhos de prospecção no Chegadinho (Feijó, Almada) realizados em 1976 pelo CAA e mais tarde pelo MAH, revelaram a existência de uma linha de água colmatada por areias onde se recolheu material pré-histórico, proto-histórico e Romano. Recolheram-se alguns vidros, um dos quais uma taça canelada de vidro policromo (CAA) e um bordo de uma taça em vidro amarelo esverdeado (MAH). Em Cacilhas, nas várias fases de escavações e acompanhamento de obras no Largo Gabriel Pedro e Rua Cândido dos Reis (Cacilhas, Almada), foram encontrados alguns fragmentos de vidros, entre eles o bordo de uma taça em vidro verde gelo. No Torrinha (Caparica, Almada), durante o acompanhamento das obras do Metro Sul do Tejo foi identificado e escavada uma necrópole romana dos séc.III/IV d.C.. Entre o espólio recolhido fora de contexto encontra-se um fragmento de uma taça de vidro translúcido. (MAH) Durante a escavação do Porto dos Cacos, Alcochete, foram recolhidos um conjunto de vidros de côr clara em conjunto com materiais visigóticos datáveis de inícios do séc.VIII d.C.. (Museu Municipal de Alcochete ou CAA) Prospecções realizadas na praia de Troia nos anos 70 do séc.XX, levaram à recolha de muitas centenas de cerâmicas e vidros. Das várias dezenas de fragmentos de vidro contam-se taças caneladas, taças lisas, gargalos e fundos de garrafa, etç. (CAA)» (Luís Barros).

DISTRITO DE PORTALEGRE
Museu Municipal de Elvas, Elvas
Centro Interpretativo de Ferragial d’El Rei, Alter do Chão
Museu da Fundação da Ammaia, Marvão



Jarro globular de bocal trilobado.

Altura 150mm, Diâmetro máximo 120mm. Incolor esverdeado

Jarro completo de depósito globular, base côncava ápode, gargalo cilíndrico curto, bocal trilobado repuxado e rebatido, asa de fita com apoio para polegar.

Forma Isings 88b. Produção lusitana

Cronologia: Incerta (em uso nos sécs. II – III d.C.). MNA 13667


 DISTRITO DO PORTO

Museu Monográfico da Ciência de Sanfins, Paços de Ferreira
Museu Municipal de Penafiel, Penafiel


Vidros romanos do Museu de Penafiel

Centro Interpretatico do Castro de Monte Mozinho, Penafiel
Museu de Arqueologia e Pré-História do Instituto de Antropologia Dr. Mendes Correia, Porto Museu de Etnografia e História, Porto
Museu Nacional Soares dos Reis, Porto Museu Municipal do Abade Pedrosa, Santo Tirso.

DISTRITO DE SANTARÉM

Alcáçova de Santarém Museu Municipal de Carlos Reis, Torres Novas

Ver: ANTUNES, Ana Sofia, Vidros romanos da Alcáçova de Santarém, Revista Portuguesa de Arqueologia . volume 3. número 2. 2000http://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/3_2/9.pdf


Garrafas romanos com fundo moldado do Museu de Torres Novas e de uma colecção particular.
No promeiro caso com representação de um homem e um cavalo e marca q CEPI (ou q CEH).


Fotografia a partir do catálogo «O Vidro em Portugal» 
(coord. Filomena Barata e Paulo de Oliveira Ramos). 1989. APAI.

Museu da Casa Senhorial d’el rei D. Miguel, Santarém
DISTRITO DE SETÚBAL

Museu Municipal de Alcácer do Sal, Alcácer do Sal
Cripta Arqueológica do Castelo de Alcácer do Sal
Centro Interpretativo de Miróbriga, Santiago do Cacém.


Conta de Vidro proveniente de Miróbriga


Base de copo proveniente de Miróbriga, Santiago do Cacém
Museu Municipal de Santiago do Cacém

Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal, Setúbal

COLECÇÕES OU PEÇAS PRIVADAS:

DISTRITO DE ÉVORA
Pirites Alentejanas, S.A., Aljustrel
João de Figueiredo, Vila Viçosa
Joaquim Torrinha, Vila Viçosa

DISTRITO DE LISBOA´
João Lemos, Lisboa
João Manuel Bairrão Oleiro, Lisboa
Sam Levy, Lisboa
Teresa Maria Branco Gominho, Oeiras

DISTRITO DE SANTARÉM
Luís Pimenta Bairrão, Tramagal
DISTRITO DE PORTALEGRE
António Eusébio Maçãs, Portalegre   

(1) – De referir que a maioria dos Museus ou Núcleos Museológicos e Centros Interpretativos aqui citados tem outro tipo de materiais arqueológicos (cerâmicos, metálicos ou outros) e não apenas vítreos.  



BIBLIOGRAFIA (Sumária)


A.A.V.V. (1998): Transparências imperiais: Vidros romanos da Croácia. Milão, Roma, Skira: ISCIC.
ALARCÃO, J. de, 1963: Quatro Colecções de Vidros Romanos, «Revista de Guimarães», Vol. LXXIII, nºs 3-4, pp. 167-189.
ALARCÃO, J. [s.d.]: Formes peu communes de la verrerie romaine au Portugal. Sep. Annales du 3ème Congrès des Journées Internationales du Vèrre. [S.l.: s.n.], p. 3-9.
ALARCÃO, J. (1968a): Espólio de uma sepultura luso-romana de Pombalinho (Santarém). O Arqueólogo Português. Lisboa. S.III, 2, p. 77- 86
ALARCÃO, J. (1968b): Vidros romanos de Museus do Alentejo e Algarve. Sep. Conimbriga. Coimbra. 7, p. 7-39.
ALARCÃO, J. (1970a):  Abraded and engraved Late-Roman glass from Portugal. Journal of Glass Studies. Corning. XII, p. 28-34
ALARCÃO, J. (1970b): Vidros romanos de Balsa. O Arqueólogo Português. Lisboa. S. III, IV, p. 237-261
ALARCÃO, J. (1971a): Mais algumas pequenas colecções de vidros romanos. Conímbriga. Coimbra. 10, p. 25-43.
ALARCÃO, J. (1971b):  Vidros romanos de Aramenha e Mértola. O Arqueólogo Português. Lisboa. S. III, 5, p. 191-200
ALARCÃO, J. (1974): A necrópole do Monte Farrobo (Aljustrel). Conímbriga. Coimbra. 13, p. 5-32.
ALARCÃO, J. (1975):  Bouteilles carrées au fond décoré du Portugal romain. Journal of Glass Studies. Corning. 17, p. 47-53
ALARCÃO, J. (1976a): Céramiques diverses et verres. In Fouilles de Conimbriga. Mission Archéologique Française au Portugal,Musée Monographique de Conimbriga. 6, p. 155-223.
ALARCÃO, J. (1976b): Vidros romanos procedentes da colecção do rei D. Manuel. Conimbriga. Coimbra. 15, p. 55-61.
ALARCÃO, J. (1978a): Vidros romanos do Alentejo no Museu Nacional de Arqueologia.Conimbriga.Coimbra. 17, p. 101-112.
ALARCÃO, J. (1978b) :  Vidros do Castelo de Alcácer do Sal. Setúbal Arqueológica. Setúbal. 4, p. 155-166. 
ALARCÃO, J. (1981): Roman Glass from Tróia (Portugal). Annales du 8ème Congrès de l’Association Internationale pour l’Histoire duVerre (Londres-Liverpool, 18-25 septembre, 1979). Liège: [s.n.], p. 105-110.
ALARCÃO, J. (1984): Sete jarros de vidro romanos. Lucerna. Nº extraordinário, Homenagem a D. Domingos de Pinho Brandão, p. 173-178. ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1963a) – Quatro pequenas colecções de vidros romanos. Revista de Guimarães. 73: 3-4, p. 367-395. ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1963b) – Vidros romanos do Museu Martins Sarmento. Revista de Guimarães. 73: 1-2, p. 175-208.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1963c): Découvertes archéologiques récentes de verres. Portugal. Bulletin des Journées Internationales du Verre. Liège: Journées Internationales du Verre, Sécretariat Géneral Permanent. 2, p. 113-114.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1964a): Vidros romanos do Museu de Soares dos Reis, Sep. Revista Museu. Porto. s. 2, 8, p. 5-11.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1964b): Vidros romanos do Museu Municipal da Figueira da Foz. Revista de Guimarães. 74: 1-2, p. 79-130.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1965): Vidros romanos de Conímbriga.Coimbra: Museu Monográfico de Coimbra. 
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1966a): O espólio da necrópole luso-romana de Valdoca (Aljustrel). Conimbriga.Coimbra. 5, p. 7-104.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1966b) : Sepultura luso-romana descoberta no concelho de Constância. Museu. Porto. 2ª série, 10, p. 5-12.
 ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1966-1967): Achados na vila romana de Cardílio (Torres Novas). Sep. Arquivo de Beja. 23-24, p. 3-31.
ALARCÃO, J.; ALARCÃO, A. (1967): Vidros romanos do Museu Arqueológico de Vila Viçosa. Conimbriga.Coimbra. 6, p. 1-45.

Alarção, J. (1968): “Vidros romanos de museus do Alentejo e Algarve”,
Conimbriga
,6: 28-34.


Alarção, J. (1975): “Bouteilles carrées à fond décoré du Portugal romain”,
Journal of Glass Studies, 17: 47-53.


Alarção, J. (1976): Verres, in: J. Alarção/R. Etienne (Hrgs): Fouilles de Conimbriga, VI: Ceramiques divers et verres. Paris: 155-223.
ALARCÃO, J.; DELGADO, M. (1969): Antiguidades ibéricas e romanas. In Catálogo do Gabinete de Numismática e Antiguidades. 1ª parte. Lisboa, Biblioteca Nacional de Lisboa. 

ALMAGRO BOSCH, M. (1955): Las necrópolis de Ampurias. Barcelona.

ALMAGRO BOSCH, M, 1979: “Necrópolis romana de las parcelas número 45 y 46 de Segóbriga (Saelices, Cuenca)”, Noticiario Arqueológico Hispánico, 7.


ALONSO, J. y CALDERA, P. (E.P.): “Vidrio romano temprano del solar El Disco, Mérida. Usos del vidrio en rituales funerarios”. Actas XVIII Congreso Internacional Arqueolo-gía clásica. Mérida.

ALONSO, J. y MÉNDEZ, G. (2014): “El vidrio romano de una de las áreas funerarias al sur de Augusta Emerita”, VI Encuentro de Arqueología del Suroeste Peninsular, Villa-franca de los Barros: 1655-1689.

ALONSO, J. y BEJARANO OSORIO, A. Mª.: Roman glass from “Solar de Campsa”, Augusta Emerita. figshare. http://dx.doi.org/10.6084/m9.figshare.1368274.

ALONSO, J. y BEJARANO OSORIO, A. Mª, Vidrio romano procedente de la necrópolis oriental de Mérida “Solar de la antigua Campsa”. 
VII ENCUENTRO DE ARQUEOLOGÍA DEL SUROESTE PENINSULAR 
Disponível em: https://www.academia.edu/…/Roman_glass_from_east_funerary_a…


ALTAMIRANO TORO , E. (2007): “Vidrios romanos procedentes del B.I.C. Zona arqueo-lógica del entorno del castillo de la Duquesa (Manilva, Málaga): Roman glasses proceeding from the B.I.C. Archaeological zone of the Environment of the castle of the Duchess (Manilva, Málaga)”, Arqueología y territorio, 4: 141-163.


ANTORANAS, A. C. (2009): “Glass vessels from roman and early christian thessaloniki and its surroundings (1st century BC-6th century AD)”. Annales du 6e congrès de l´association internationale pour l´histoire de Verre. Antwerp: 74-49. 


ANTUNES, Ana Sofia, Vidros romanos da Alcáçova de Santarém.http://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/3_2/9.pdf



ANTUNES, Ana Sofia, Vidros romanos da Alcáçova de Santarém, Revista Portuguesa de Arqueologia . volume 3. número 2. 2000http://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/3_2/9.pdf
Arveiller-Dulong, V. y Nenna, M.D. (2005): Les verres antiques de Musée du Louvre,
II. Paris.
Ayerbe Vélez, R. y Márquez Pérez, J. (1998): “Intervención arqueológica en el solar de la calle Cabo Verde”, Mérida, excav. Arqueol., 2, 1996: 135-166
CALDERA DE CASTRO, P. (1988): «Vidrios del Museo Arqueológico provincial de Cáceres», Anas I, Mérida, pp: 174-186
CALDERA DE CASTRO, M.ª del P. (1988): Vidrios del Museo Arqueológico Provincial de Cáceres. Anas. Mérida. 1, p. 173-185.
CALDERA DE CASTRO, M.ª del P. (1994-95): Los recipientes prismáticos de sección cuadrada y las botellas cilindricas: una aproximación al método de trabajo de los talleres de vidrio romano del suroeste de Hispania. Anas. Mérida. 7-8, p. 117-142.

CALDERA, P. (1983): “Aspectos del vidrio romano en Mérida”. Homenaje a Sáenz de Buruaga. Mérida: 137-144.


CALDERA, P. (1995): “Los recipientes prismáticos de sección cuadrada y las botellas cilíndricas : una aproximación al método de trabajo de los talleres de vidrio roma-no del suroeste de Hispania”. ANAS. 7/8: 117-142.
CARRERAS I ROSSEL, T. e VILLALBA I VARNEDA, P. (1990): La présence du verre dans la Mediterranée.
CHARLSWORTH, D. (1966): Roman square bottles. Journal of Glass Studies. Corning. 8, p. 26-39Catálogo da Exposição «Religiões da Lusitânia», 2002, Museu Nacional de Arqueologia, Lisboa. Catálogo da Exposição “Vita Vitri – O Vidro Antigo em Portugal. M.N.A. e Museu D. Diogo de Sousa. Catálogo da Exposição «Transparências Imperiais» – Vidros Romanos da Croácia, 1998, Skire Editore, Milão.
COELHO, Ana Júlia Dinis, 2012, Testemunhos artísticos no vidro romano português, Tese de Mestrado
http://run.unl.pt/…/Testemunhos%20art%C3%ADsticos%20no%20vi…


CORBACHO HIPÓLITO, M. J. (2002): “El vidrio en el mundo funerario emeritense: Unguentaria”.
Mérida, excav. arqueol., 8, 2002: 487-512.

COSYNS, P. (2011): The production, distribution and consumption of black glass in the Roman Empire during the 1st - 5th century AD. An archaeological, archaeometric and historical approach. Brussel

CRUZ, MárioFragmentos de Vidro, fragmentos da Memória. Aproximação à Actividade Vidreira em Bracara Augusta. 
IDEM, 2001: «Vidros romanos de Bracara Augusta». (Tese de Mestrado).
CRUZ, Mário da, Representações artísticas em vidros e cerâmicas romanas de
Bracara Augusta. Rui MORAIS up/flup - cech (unidade i&d-cech da fct).
In:
https://www.academia.edu/6723986/Cruz_M._da_2011_Fragmentos_de_vidro_fragmentos_da_memória._Aproximação_à_actividade_vidreira_em_Bracara_Augusta._CEM._Cultura_Espaço_and_Memória_no_2_CITCEM_Porto_Braga_83-94
CRUZ,Mário da (2001): Os vidros romanos de Bracara Augusta.Braga:Instituto de Ciências Sociais daUniversidade do Minho.Tese de mestrado.
IDEM, 2008,  Black glass jewellery from Bracara Augusta.«Analles du 17e congrès de l’AIHV».Antuérpia:AIHV,p.96-102
IDEM, (2009a): Vita Vitri.O Vidro Antigo em Portugal.
Lisboa:Museu Nacional de Arqueologia/Museu deArqueologia D.Diogo de Sousa.
IDEM, (2009b):  O Vidro Romano do Noroeste Peninsular.Um olhar a partir de
Bracara Augusta.Braga:Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.Tese de doutoramento.
IDEM, (no prelo):  Vidros Paleocristãos de Bracara Augusta.Decoração por gravação e abrasão. 
«Jornadas sobreel Vidrio de la Alta Edad Media y Andalusí».La Granja:Fundación Centro Nacional del Vidrio
CRUZ, Mário Rui Mendes Dias da,  2009: «O Vidro Romano no Noroeste Peninsular. Um olhar a partir de Bracara Augusta».Volume II. Manual de formas. Vidros Romanos do Noroeste Peninsular. Junho de 2009, Universidade do Minho, Instituto de Ciências Sociaishttp://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/9883/2/Vol.%2520II%2520-%2520%2520Manual%2520de%2520formas.pdf 
CRUZ, Mário Rui Mendes Dias, 2009:  «O Vidro Romano no Noroeste Peninsular. Um olhar a partir de Bracara Augusta. Volume III. Dados arqueométricos. Catálogo de vidros».http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/9883/3/Vol.%20III%20-Catalogo.pdf
FERREIRA, Manuela Almeida, 2012:  Vidro arqueológico da Casa Gouveia (Évora).  Do Vidro Romano ao Vidro Industrial. Portvgalia, Nova Série, vol. 33, Porto, DCTP-FLUP, 2012, pp. 73-106.

FERREIRA, M. A. (1997): Vidros romanos de São Miguel de Odrinhas. Conimbriga. Coimbra. 36, p. 177-182.
FORBES, R. J. (1957): Studies in Ancient Technology. Leiden: E. J. Brill. V.

FREMERSDORF, F. (1928): Romische Gläser aus Köln.Köln: Kölner Verlags-Anstalt und Druckrei
A. G. GOETHERT-POLASCHEK (1977), Katalog der Romichen Glaser des Rheinichen Landesmuseums Trier, Mainz am Rhein. IDEM, 1985, Katalog der Romichen Glaser des Rheinichen Landesmuseums Trier, Mainz am Rhein.


FUENTES DOMÍNGUEZ; A. (1990): “Los vidrios de las necrópolis de la Meseta. Ensayo preliminar de clasificación”, CUPAM, 17: 169-202.

GENDRON, CHR. (1970): “La verrerie gallo-romaine sur le golfe des Pictons”.
Mémoire de maîtrise d´histoire de l´art et d´archéologie, 2 vols. Université de Poitiers.

GENDRON, CHR. (1974): “Richesses méconnues des musées vendéens: les verres gallo-romains”.
Archéologia, 68: 37-43.

GIJÓN GABRILE, E. (2004): “El Circo Romano de Mérida: Nueva intervención arqueo-lógica desarrollada dentro del Proyecto Vía de la Plata-Extremadura”. Mérida, excav. arqueol.,7, 2001, 73-125.

GOMES, Vidros romanos das necrópoles de Alcácer do Sal depositados no Museu Nacional de Arqueologia./ UNIARQ – Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa / FCT /
https://www.academia.edu/3686984/Vidros_romanos_das_necr%C3%B3poles_de_Alc%C3%A1cer_do_Sal_depositados_no_Museu_Nacional_de_Arqueologia. Arqueologia em Portugal 150 anos.

GOULDON DE LA LANDE, C. F. J. (1867): “Note sur les fouilles faites dans l´ancien cimi-tière d´Antigny-sur-Gartempe, près Saint-Savin (Vienne)“, BSAO, 1ère série, 11.
GROSE, D. F. (1977) : Early blown glass. Journal of Glass Studies. Corning. 19, p. 9-29.
GROSE, D. F. (1984): Glass forming methods in classical antiquity: some considerations. Journal of Glass Studies. Corning. 26,p. 25-34.
GROSE, D. F. (1973-1976): The glass from the roman ‘colonia’ of Cosa. Sep. Bulletin de l’Association Internationale pour l’Histoire du Verre. Liège: Association Internationale pour l’Histoire du Verre. 7.
GROSE, D. F. (1991) : Early imperial Roman cast glass: the translucent coloured and colourless fine wares. In NEWBY, M; PAINTER, K. eds.- Roman Glass: Two Centuries of Art and Invention. London: The Society of Antiquaries of London, p. 1-18.

HARDEN, D. (1960): The Wint Hill Bowl and related glasses. Sep. Journal of Glass Studies. Corning. 2, p. 44-81.
HARDEN, D.B. et alii, (1987): Glass of the Caesars, Olivetti, Milan.
ISINGS, C. (1957): Roman Glass from Dated Finds. Gröningen: D. B. Wolters.

ISINGS (1957): Roman Glass from dated Finds. Groningen/Djakarta. 

ISRAELI, Y. (1991): The invention of blowing. In NEWBY, M; PAINTER, K. eds.- Roman Glass: Two Centuries of Art and Invention. London: The Society of Antiquaries of London, p. 46-55.

LITH, Sophia M. E. von e RANDSBORG, K. (1985): Roman Glass in the West: a Social Study, Rijksdient voor het Oudheidkundig, Bodemonderzoek, Jaargang 35.
MORIN-JEAN, 1913, La Verrerie en Gaule sous l’Empire Romain. Librerie Renouard, Paris.

MÁRQUEZ PÉREZ, J. (2005): “Excavación de una de las áreas funerarias al sur de la ciudad, desde la segunda mitad del s. I d.C. hasta época andalusí: una maqbara al sur de Mérida”.
Mérida, excav. arqueol., 8, 2002, 281-308.

MÁRQUEZ PÉREZ, J. (2006): Los columbarios: arquitectura y paisaje funerario en Augus-ta Emerita.

Mérida
NOLEN, J(1996): Vidros romanos da Herdade de Represas (Beja). In Miscelânea em Homenagem ao Professor Bairrão Oleiro. Lisboa: Colibri. p. 345-368.
NOLEN, J. (1988a): A villa romana do Alto da Cidreira (Cascais). Conimbriga.Coimbra. 27, p. 61-140.
NOLEN, J. (1988b): Vidros de S. Cucufate. Conimbriga. Coimbra. 27, p. 5-60. NOLEN, J. (1994) – Cerâmica e vidros de Torre de Ares, Balsa incluindo o espólio ósseo e medieval. Lisboa: Instituto Português deMuseus, Museu Nacional de Arqueologia.
OLEIRO, J. M. B. (1963-1964): O vaso de vidro de Odemira. Sep. Arquivo de Beja. 20-21, p. 101-110.
ORTIZ PALOMAR, M. E., 1994, Avances metodológicos en el estudio del Vidrio antiguo en Aragón: analítica y tratamiento», Arqueologia Aragonesa 1992,  Zaragoza.
PAZ PERALTA, J. A., «El Vidrio», en BELTRÁN LLORIS, M. et alii, 1998, Colonia Victrix Iulia Celsa (Vellila del Ebro, Zaragoza). III,1-2. 

PAINTER, K. S., 1968, «Roman Glass», in Masterpieces of Glass, The British Museum, Londres.
PLÍNIO, Historia Natural, Liv. 35, segundo ed. esperanza Torrego, 1987, Visor Dist. Madrid, pp: 76-77.
PRICE, J, (1981): Roman Glass in Spain: a catalogue of glass found at the Roman Towns of Tarragona, Mérida, Itálica, and Carmona, with a discussion of the vessel forms from these towns and other Roman sites in Spain, Boston, Spa, Wetherby
PRICE, J. (1973): Some roman glass from Spain. Sep. Annales du 6ème Congrès de l’Association Internationale pour l’Histoire du Vèrre:Cologne. 1-7 juillet, 1973. Liège: Édition du Secrétariat Géneral à Liège. p. 65-84.
PRICE, J. (1976): Glass. In STRONG, D.; BROWN, D. eds.- Roman Crafts. London: Duckworth.
PRICE, J. (1977) : Roman unguent bottles from Rio Tinto (Huelva) in Spain. Journal of Glass Studies.Corning. 19, p. 30-39.
PRICE, J. (1987):  Glass vessel production in Southern Iberia in the first and the second centuries AD: a survey of the archaeological evidence. Journal of Glass Studies.Corning. 27, p. 30-39.
PRICE, J.; COOL, H. (1991): The evidence for the production of glass in Roman Britain. Ateliers de verriers: De l’Antiquité à lapériode pré-industrielle: Association Française pour l’Archéologie du Verre: Actes des Quatrièmes Rencontres: Rouen 24-25 novembre,1989. Rouen, p. 23-30.
RÜTTI, B. (1991) : Die römischen Gläser aus Augst und Kaiseraugst. Augst: Forschungen in Augst. 13/1 e 13/2.

SALINAS PLEGUEZUELO, M. E. (2003): El vidrio romano de Córdoba. Córdoba.

SALINAS PLEGUEZUELO, M. E. y SALINAS VILLEGAS, J. M. (2005): “Vidrio romano en un sector de la necrópolis septentrional de Colonia Patricia”.Anales de Arqueologia Cordobesa, 16: 143 160.

SÁNCHEZ DE PRADO, M. D. (1984): “El vidrio romano en la Provincia de Alicante”, Lucentum, 3: 79-100.

SÁNCHEZ DE PRADO, M. D. (2004): “El vidrio romano en el conventhus Carthaginenis”.
I Jornada sobre el Vidrio en la España romana. Cuenca: 79-114.

SÁNCHEZ DE PRADO, M. D. (2008): “Recipientes de vidrio procedentes de un edificio de tabernas de Lorca, Murcia”. Alberca, 6: 61-84.

SÁNCHEZ SÀNCHEZ, M. D, G. (1998): “Intervención arqueológica en los terrenos del P.E.R.I. (Antigua corchera extremeña). Nuevas aportaciones al conocimiento de la necrópolis norte de la ciudad”.
Mérida, excav. arqueol.,2, 1996: 167-191.

SÁNCHEZ SÀNCHEZ, G. (2001): “Ejemplo de continuidad en un espacio funerario de Mérida. Intervención arqueológica en un solar s/n en la c/ Travesía Marquesa de Pinares”. Mérida, excav. arqueol., 5, 1999: 49-8
SCHULER, F. (1959):  Ancient glassmaking techniques. The molding process. Archaeology. 12, p. 47-52.
SHEPHERD, J.; HEYWORTH, M. (1991): Le travail du verre dans Londres romain (Londinium): un ètat de la question. Ateliers de verriers: De l’Antiquité à la période pré-industrielle: Association Française pour l’Archéologie du Verre: Actes des Quatrièmes Rencontres: Rouen 24-25 novembre, 1989. Rouen, p. 13-22.
SIMÕES, M. H. (1986) – Vidros romanos do Museu de Castelo Branco. Conimbriga.Coimbra. 25, p. 143-152.
SIMÕES, M. H. (1987): Os vidros da colecção Bustorff Silva. O Arqueólogo Português. Lisboa. S. 4, p. 259-286.
VIEGAS, J. R.; NOLLEN, J. U. S.; DIAS, L. F. (1981): A necrópole de Santo André: Os materiais (parte II). Conimbriga. Coimbra.20, p. 33-178.


WHITEHOUSE, D. (2003): Roman glass in the Corning Museum of Glass. Volume Three. Corning.
ZAMPIERI, G. (1998):  Vetri antichi del Museo Civico Archeologico di Padova. (Corpus delle Colezioni Archeologiche del Vetro nelVeneto). [s.l.]: Comitato Nazionale Italiano, Association Internationale pour l’Histoire du Verre. 3.   Sobre os Vidros da Alcáçova de Santarémhttp://www.igespar.pt/media/uploads/revistaportuguesadearqueologia/3_2/9.pdf

Postar um comentário