quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Os Museus do Alentejo

Projecto pessoal de Hugo Guerreiro, responsável pelo Museu de Estremoz, o blogue visa «essencialmente a troca de experiência profissionais e a divulgação de eventos no mundo dos museus que considerem interessantes».

Assim aqui vai a referência para quem queira participar da discussão à volta de Museus.

http://museusalentejo.ning.com/

Mas poderá ainda consultar:

http://museuestremoz.blogspot.com
http://museuestremoz.wikia.com
http://museuestremoz.redemuseus.com

mas poderá ainda consultar

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Castelos do Alentejo : Viana do Alentejo

A partir de amanhã, vou começar a falar-vos do programa dos Castelos do Alentejo.

Visite castelos do Nordeste Alentejano

Pernoite por lá e veja o Tejo ao amanhecer ...
e faça o belo percurso pedonal junto ao rio, pois vai gostar.


«Belver foi o primeiro castelo edificado pelos Hospitalários no nosso país, a fim de defender o território raiano do vale do Tejo, e um dos mais imponentes que a Ordem construiu em Portugal ao longo da Baixa Idade Média. Ele tem origem em 1194, ano em que D. Sancho I doou a Afonso Paes, prior da Ordem, as chamadas terras de Gimdintesta, com a condição de aí se construir um castelo. Esta iniciativa visava estancar as investidas islâmicas dos anos imediatamente anteriores, que determinaram o recuo da fronteira cristã para a linha do Tejo, mas também um certo equilíbrio de forças entre as várias instituições a quem havia sido confiada a defesa do médio Tejo, procurando o monarca, desta forma, atenuar o quase monopólio dos Templários nesta parcela do território (BARROCA, 2000, pp.194-195).Em 1210, as obras estariam terminadas ou, pelo menos, bastante adiantadas, pois nessa data já se encontra em funcionamento. O testamento de D. Sancho I é claro quanto à sua existência, uma vez que, para além de o mencionar, informa que ele é um dos seis locais do reino onde se conserva o tesouro real nacional, notícia que prova a excelência da obra de arquitectura - apesar da sua localização fronteiriça (IDEM, p.196) - e a confiança que o monarca tinha, então, nos Hospitalários, em particular no comendador de Belver».

citado a partir de www.igespar.pt



e, depois, vá até Amieira do Tejo ou a Castelo de Vide, porque das origens da Nação muito há para conhecer.


«Em 1232, por doação régia de D. Sancho II, o domínio hospitalário alargou-se consideravelmente para Sul, passando a integrar as vilas de Amieira, Gavião e Crato. As obras promovidas pela Ordem, neste último aglomerado, que viria a ser a sede da instituição, são conhecidas e tiveram lugar imediatamente após a doação de 1232 (BARROCA, 2000, pp.202-203).
No entanto, a vila de Amieira, cuja posse se integra na mesma conjuntura, foi dotada de um castelo já muito tarde, sensivelmente um século depois de passar para as mãos dos Hospitalários. A sua construção ficou a dever-se a Álvaro Gonçalves Pereira, filho bastardo do bispo D. Gonçalo Pereira, prior da Ordem do Hospital e pai do futuro condestável do reino, Nuno Álvares Pereira. Foi, ainda, a este último que se deveu a transferência da sede da Ordem, de Leça do Bailio para o Crato (1356), circunstância que levou toda a estrutura hospitalária para o coração do seu principal domínio fundiário».
cit. de http://www.igespar.pt/


«Não estão esclarecidas as origens do povoamento no local onde, na Idade Média, se edificou Castelo de Vide. A proximidade em relação a uma via romana que passa junto ao sopé do monte fez com que alguns autores conjecturassem a respeito de uma possível fase organizativa romana (PERES, 1969, p.285) mas, até ao momento, as escavações conduzidas por Jorge Oliveira e, mais recentemente, por Marina Pinto e Sandra Neves, não revelaram níveis de ocupação tão antigos.Se as dúvidas se mantêm a respeito do possível passado romano, a história de Castelo de Vide não se apresenta mais nítida nos primeiros tempos da monarquia portuguesa. Informações muito duvidosas relacionam o ano de 1148 com uma suposta conquista de D. Afonso Henriques e o de 1180 com um primeiro foral dado à localidade, por D. Pedro Anes (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. VI, p.196), mas será preciso esperar pelo século XIII para encontrarmos referências mais concretas. Em 1232 já estaria incorporada na coroa nacional, e seria, então, um povoado de relativa importância, pela grande proximidade em relação à fronteira com Castela (PERES, 1969, p.286). Em 1273, reinando D. Afonso III, a vila foi confiada a seu filho, D. Afonso Sanches, senhor igualmente de Portalegre e de Marvão.Terá sido a partir dessa data que se deu início à fortaleza que hoje genericamente conhecemos».

Em Castelo de Vide passeie-se pela zona "histórica" e veja onde se situava a antiga sinagoga.
Tome um café serenamente, na zona baixa, onde perdido já o sentido de uma cidade intra-muros
se começou a edificar o casario e onde se sedearam os Paços do Município.

cit a partir de: http://www.ippar.pt/

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Se não conhece Terena ...





Vale a pena visitar o castelo e uma das igrejas mais bonitas que vi em Portugal, o Santuário de Nossa Senhora da Boa Nova.


Por vicissitudes várias, não foi possível fazer a intervenção prevista no «PROGRAMA DOS CASTELOS DO ALENTEJO» no castelo de Terena, Alandroal.



No entanto, dele ficou na mesma o fantástico lugar e a monografia que lhe foi dedicada, com texto de Mário Barroca. (IPPAR).

Desse programa de intervenção dos Castelos do Alentejo vos darei conta neste lugar.

Fot. Senhora da Boa Nova Wikipédia







sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

A Liga dos Amigos de Miróbriga






A Liga de Amigos dos Miróbriga passará a ter, a partir de hoje, um lugar de divulgação das suas acções e das actividades culturais do Litoral Alentejano.


http://ligadeamigosmirobriga.blogspot.com/





terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Sé de Évora






Posted by Picasa

O Programa de valorização das Pontes do Alentejo: que balanço agora?




www.ippar.pt







Imagens: IPPAR

A partir da introdução ao livro de apresentação do Programa de recuperação das Pontes Históricas do Alentejo, 2005

«A ponte é uma passagem prá outra margem» canta Luís Portugal dos Já Fumega.


A ponte é, aliás, um ponto onde dois caminhos se tornam num; uma travessia que permite vencer ritualmente e fisicamente a superfície da água, o vale, o declive e o precipício.
A ponte constrói-se de arcos de luz grande ou pequena: mas será sempre o retrato da solidez.
As suas guardas protegem quem passa: peões, carroças e carros milenares; viajantes e mercadorias.
A ponte viabiliza um itinerário; marca uma paisagem regrada que permite implantar as suas fundações.
Porque ela foi em Roma um meio, tendo permitido vitórias como as de Júlio César sobre os Germanos, junto ao Reno (Suetónio, Vida dos Doze Césares, «Divino César»), um veículo, viabilizando a ligação e subjugação de mundos infindáveis, a ponte é o símbolo da grandiosidade e da perenidade do Império que a foi gradualmente solidificando;
E porque, ainda hoje, altiva, representa o saber vencer as dificuldades que a Natureza oferece ao Homem, a ponte representa a essência da Construção e da Civilização onde nos alicerçamos.
E, no entanto, a simplicidade espelha-se ao mesmo tempo nela: um arco ou arcos de volta perfeita ou ligeiramente abatidos, apoiando-se em pilares, por vezes contrafortados, que lhes distribuem a força e que aguentam o embate das águas e que permitem ainda suster o peso dos tabuleiros e de tudo que sobre eles caminhará.
De madeira, de pedra irregular ou silharia regularizada, e ainda de metal, a ponte é verdadeiramente uma “passagem para a outra margem”.
Através do programa de Recuperação de Pontes Históricas do Alentejo, com o apoio do Programa Operacional da Cultura que permitiu intervencionar uma vintena de imóveis de origem romana e medieval, onde se inscrevem o monumental exemplar da Ribeira de Sedas, em Alter do Chão, a ponte de Vila Ruiva, Cuba e a ponte do Xarrama, Évora pretendeu-se, em termos gerais, consolidar a solidez das mesmas, elegendo, ao mesmo tempo, sítios e paisagens e requalificando percursos de visita.
Que a partir delas saibamos fazer novas travessias e novas Itinerâncias entre tantos outros lugares de um território que foi cruzado milenarmente por múltiplos povos, como é este do Sul de Portugal
.


Filomena Barata, 2005


O projecto de Valorização das Pontes Históricas do Alentejo, apoiado pelo Programa Operacional da Cultura, cobriu uma parte muito significativa deste tipo de imóveis localizados nesta região de Portugal. Muitas dessas pontes, de origem medieval, têm sido identificadas como romanas.


O programa teve como objectivo primordial executar um conjunto de intervenções de recuperação destas construções, procurando sensibilizar o público para a importância dos eixos viários antigos, tendo sido seleccionadas vinte estruturas com características tipológicas e cronológicas muito diversas, e assumindo-se ainda a componente de integração paisagística como um valor a manter e a reabilitar.




No Alentejo o programa foi coordenado por João Marques e António Cunha da ex-DRE do IPPAR.


Ponte da Portagem, Fotografia de Emilio Nunes.



quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Trajes tradicionais: O Alentejo








Posted by Picasa








Da constância do trabalho, como valor de referência, da exigência da qualidade como uma urgência para o crescimento, não posso deixar de destacar as obras de Cristina Duarte, de que já dei destaque noutro lugar.

Aos CTT, pela belas obras que têm vindo a editar, também os meus parabéns.



No entanto, centro-me agora neste livro : Trajes Tradicionais. Pelo que representa de recolha documental e de imagens, pela análise sociológica que a autora faz ao tema trajar, já recorrente no seu vasto trabalho publicado: «Para além da língua, o ser humano comunica através de toda uma gama de sinais, e cada peça do seu vestuário "serve para", ou "diz qualquer coisa", inserindo-se no complicado mundo da comunicação não verbal», usando as palavras de Cristina Duarte.


Trata-se de um belo livro e de um livro belo, juntando a cor que a diversidade portuguesa e seus particularismos regionais dão ao vestuário, com o preto das palavras bem talhadas, bem drapeadas, tal forma de (re) vestir o que se veste, porque é também a linguagem do sentir, do estar e do trabalhar.


Ao Além-Tejo dedica a autora um capítulo do seu livro: para as mulheres e homens do campo vai a sua homenagem, podendo, de fundo, imaginar-se o cante das planuras!

À festa, como lugar de encontro, de comunhão de rituais e de afectos, traz o traje, também, a sua forma diversa de se expressar.

Posted by Picasa
Posted by Picasa


Mas ao trajar do Alentejo voltarei, quer o do campo, quer ao dos capotes, samarras ou os "pelicos", esses casacos de pele de borrego de N. Sra. Machede, e às botas de carneira, sejam as de Álcacer, do Vimieiro ou de Alter, como me aconselhou PP.

Posted by Picasa


Posted by Picasa
Posted by Picasa



Parafraseando Oliveira Martins na sua História de Portugal :

«Quando (...) ouvimos o tilintar alegre das campainhas e guizos nas coleiras dos machos - é o caseiro, que a trote largo, com a cara redonda e alegre, o ventre apertado nos seus calções de briche preto, vai à feira de Vila Viçosa em Maio, ou à de Évora em Junho, tratar dos negócios da lavoura. A distância, vem o areeiro no seu carro toldado, guiando a récua de machos carregados de odres de vinho; logo o pastor com o guarda-mato de pele de cabra, o cajado ao ombro, conduzindo as ovelhas, a vara de porcos, gordos como texugos, ou a boiada loura de longas hastes».

Posted by Picasa



Posted by Picasa

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

São para ti, Mariana, todas as histórias que tenho para contar




Imagens: Museu Municipal de Santiago do Cacém

Setembro de 2007

Em cada baú, em cada gaveta, em cada fotografia há tantas palavras por inventar. De tantos dias sem História mas com milhares de estórias para desvendar.

Se o Homem difere dos animais é exactamente por esta capacidade de de si transmitir, através dos objectos que produziu e espelham as suas necessidades e os seus desejos, memória. E ainda através da sua capacidade de, instrumentalizando as letras, construir histórias que também o vão contar.

http://mirobriga.drealentejo.pt/

Assim, à Mariana, minha filha

aos amigos que restam; aos ausentes, mas vivos na minha pele, conto as histórias que sei narrar.
A eles os meus dias ... e as coisas que descubro por saber encontrar, no silêncio, o sentido de algumas palavras: a crença e a partilha.