terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

São para ti, Mariana, todas as histórias que tenho para contar




Imagens: Museu Municipal de Santiago do Cacém

Setembro de 2007

Em cada baú, em cada gaveta, em cada fotografia há tantas palavras por inventar. De tantos dias sem História mas com milhares de estórias para desvendar.

Se o Homem difere dos animais é exactamente por esta capacidade de de si transmitir, através dos objectos que produziu e espelham as suas necessidades e os seus desejos, memória. E ainda através da sua capacidade de, instrumentalizando as letras, construir histórias que também o vão contar.

http://mirobriga.drealentejo.pt/

Assim, à Mariana, minha filha

aos amigos que restam; aos ausentes, mas vivos na minha pele, conto as histórias que sei narrar.
A eles os meus dias ... e as coisas que descubro por saber encontrar, no silêncio, o sentido de algumas palavras: a crença e a partilha.

Postar um comentário