quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Trajes tradicionais: O Alentejo








Posted by Picasa








Da constância do trabalho, como valor de referência, da exigência da qualidade como uma urgência para o crescimento, não posso deixar de destacar as obras de Cristina Duarte, de que já dei destaque noutro lugar.

Aos CTT, pela belas obras que têm vindo a editar, também os meus parabéns.



No entanto, centro-me agora neste livro : Trajes Tradicionais. Pelo que representa de recolha documental e de imagens, pela análise sociológica que a autora faz ao tema trajar, já recorrente no seu vasto trabalho publicado: «Para além da língua, o ser humano comunica através de toda uma gama de sinais, e cada peça do seu vestuário "serve para", ou "diz qualquer coisa", inserindo-se no complicado mundo da comunicação não verbal», usando as palavras de Cristina Duarte.


Trata-se de um belo livro e de um livro belo, juntando a cor que a diversidade portuguesa e seus particularismos regionais dão ao vestuário, com o preto das palavras bem talhadas, bem drapeadas, tal forma de (re) vestir o que se veste, porque é também a linguagem do sentir, do estar e do trabalhar.


Ao Além-Tejo dedica a autora um capítulo do seu livro: para as mulheres e homens do campo vai a sua homenagem, podendo, de fundo, imaginar-se o cante das planuras!

À festa, como lugar de encontro, de comunhão de rituais e de afectos, traz o traje, também, a sua forma diversa de se expressar.

Posted by Picasa
Posted by Picasa


Mas ao trajar do Alentejo voltarei, quer o do campo, quer ao dos capotes, samarras ou os "pelicos", esses casacos de pele de borrego de N. Sra. Machede, e às botas de carneira, sejam as de Álcacer, do Vimieiro ou de Alter, como me aconselhou PP.

Posted by Picasa


Posted by Picasa
Posted by Picasa



Parafraseando Oliveira Martins na sua História de Portugal :

«Quando (...) ouvimos o tilintar alegre das campainhas e guizos nas coleiras dos machos - é o caseiro, que a trote largo, com a cara redonda e alegre, o ventre apertado nos seus calções de briche preto, vai à feira de Vila Viçosa em Maio, ou à de Évora em Junho, tratar dos negócios da lavoura. A distância, vem o areeiro no seu carro toldado, guiando a récua de machos carregados de odres de vinho; logo o pastor com o guarda-mato de pele de cabra, o cajado ao ombro, conduzindo as ovelhas, a vara de porcos, gordos como texugos, ou a boiada loura de longas hastes».

Posted by Picasa



Posted by Picasa
Postar um comentário