sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Visite castelos do Nordeste Alentejano

Pernoite por lá e veja o Tejo ao amanhecer ...
e faça o belo percurso pedonal junto ao rio, pois vai gostar.


«Belver foi o primeiro castelo edificado pelos Hospitalários no nosso país, a fim de defender o território raiano do vale do Tejo, e um dos mais imponentes que a Ordem construiu em Portugal ao longo da Baixa Idade Média. Ele tem origem em 1194, ano em que D. Sancho I doou a Afonso Paes, prior da Ordem, as chamadas terras de Gimdintesta, com a condição de aí se construir um castelo. Esta iniciativa visava estancar as investidas islâmicas dos anos imediatamente anteriores, que determinaram o recuo da fronteira cristã para a linha do Tejo, mas também um certo equilíbrio de forças entre as várias instituições a quem havia sido confiada a defesa do médio Tejo, procurando o monarca, desta forma, atenuar o quase monopólio dos Templários nesta parcela do território (BARROCA, 2000, pp.194-195).Em 1210, as obras estariam terminadas ou, pelo menos, bastante adiantadas, pois nessa data já se encontra em funcionamento. O testamento de D. Sancho I é claro quanto à sua existência, uma vez que, para além de o mencionar, informa que ele é um dos seis locais do reino onde se conserva o tesouro real nacional, notícia que prova a excelência da obra de arquitectura - apesar da sua localização fronteiriça (IDEM, p.196) - e a confiança que o monarca tinha, então, nos Hospitalários, em particular no comendador de Belver».

citado a partir de www.igespar.pt



e, depois, vá até Amieira do Tejo ou a Castelo de Vide, porque das origens da Nação muito há para conhecer.


«Em 1232, por doação régia de D. Sancho II, o domínio hospitalário alargou-se consideravelmente para Sul, passando a integrar as vilas de Amieira, Gavião e Crato. As obras promovidas pela Ordem, neste último aglomerado, que viria a ser a sede da instituição, são conhecidas e tiveram lugar imediatamente após a doação de 1232 (BARROCA, 2000, pp.202-203).
No entanto, a vila de Amieira, cuja posse se integra na mesma conjuntura, foi dotada de um castelo já muito tarde, sensivelmente um século depois de passar para as mãos dos Hospitalários. A sua construção ficou a dever-se a Álvaro Gonçalves Pereira, filho bastardo do bispo D. Gonçalo Pereira, prior da Ordem do Hospital e pai do futuro condestável do reino, Nuno Álvares Pereira. Foi, ainda, a este último que se deveu a transferência da sede da Ordem, de Leça do Bailio para o Crato (1356), circunstância que levou toda a estrutura hospitalária para o coração do seu principal domínio fundiário».
cit. de http://www.igespar.pt/


«Não estão esclarecidas as origens do povoamento no local onde, na Idade Média, se edificou Castelo de Vide. A proximidade em relação a uma via romana que passa junto ao sopé do monte fez com que alguns autores conjecturassem a respeito de uma possível fase organizativa romana (PERES, 1969, p.285) mas, até ao momento, as escavações conduzidas por Jorge Oliveira e, mais recentemente, por Marina Pinto e Sandra Neves, não revelaram níveis de ocupação tão antigos.Se as dúvidas se mantêm a respeito do possível passado romano, a história de Castelo de Vide não se apresenta mais nítida nos primeiros tempos da monarquia portuguesa. Informações muito duvidosas relacionam o ano de 1148 com uma suposta conquista de D. Afonso Henriques e o de 1180 com um primeiro foral dado à localidade, por D. Pedro Anes (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. VI, p.196), mas será preciso esperar pelo século XIII para encontrarmos referências mais concretas. Em 1232 já estaria incorporada na coroa nacional, e seria, então, um povoado de relativa importância, pela grande proximidade em relação à fronteira com Castela (PERES, 1969, p.286). Em 1273, reinando D. Afonso III, a vila foi confiada a seu filho, D. Afonso Sanches, senhor igualmente de Portalegre e de Marvão.Terá sido a partir dessa data que se deu início à fortaleza que hoje genericamente conhecemos».

Em Castelo de Vide passeie-se pela zona "histórica" e veja onde se situava a antiga sinagoga.
Tome um café serenamente, na zona baixa, onde perdido já o sentido de uma cidade intra-muros
se começou a edificar o casario e onde se sedearam os Paços do Município.

cit a partir de: http://www.ippar.pt/
Postar um comentário