sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Fui de novo a Alter do Chão























Fui matar saudades daquele castelo/residência de fundação medieval, mandado construir por D. Pedro, que conheci abandonado.
Cumprimento assim o Município, o seu Presidente e do seu antecessor, que em boa hora conseguiram ver aprovada a sua recuperação através de uma candidatura aos Quadros comunitários e, mediante um acordo com a Fundação da Casa de Bragança, proprietária do monumento, levou por diante a valorização do imóvel.

Fui também ver a belíssima Casa do Álamo, mandada construir no século XVII, e seus jardins setecentistas,onde funciona a Biblioteca Municipal.

E pude ver os trabalhos arqueológicos em curso na villa romana de Ferragial d'el Rei, onde apareceram recentemente mosaicos romanos, cuja qualidade se pode considerar ímpar em território nacional, quer pela iconografia, quer pela qualidade de representação e ainda pelo uso de muitas tesselas de pasta vítrea.

Mas da antiga ocupação romana que tornou Abelterium, fundada no século III a.C., um ponto axial na passagem de Lisboa para Mérida, ainda se pode ver ponte de Vila Formosa, e necrópoles tardias da cidade.

A Câmara Municipal tem também um projecto que pretende incluir vários Sítios Arqueológicos num circuito de visita à volta da personagem do Imperador Adriano, que, segundo a lenda alterense, se terá deslocado a Abelterium no ano 120 d.C, motivo pelo qual a via romana é designada por “Via Adriana”.

Ao Jorge António, arqueólogo do Município, o meu enorme agradecimento por me ter autorizado a fotograr os mosaicos e a divulgá-los aqui, bem como por me ter cedido a fotografia do tanque romano e da necrópole tardo-romana.


Logo mais, voltarei a Alter.


«No contexto da Reconquista cristã da península Ibérica, esta região foi ocupada pelas forças de Portugal desde a segunda década do século século XIII: D. Afonso II (1211-1223) ordena o seu repovoamento em 1216. Sob o reinado de D. Sancho II (1223-1248), o castelo já é mencionado, na Carta de Povoamento dada a Alter do Chão pelo bispo da Guarda, Mestre Vicente Hispano (1232). Ainda visando incrementar o seu povoamento, o rei D. Afonso III (1248-1279) outorgou foral à povoação (1249), determinando reedificar o seu castelo.

D. Dinis (1279-1325), visitou esta povoação em diversas ocasiões, outorgando-lhe novo Foral (26 de Agosto de 1292), reformado no ano seguinte, concedendo-lhe entre os privilégios, em particular, o de que nunca teria outro senhor senão o próprio soberano. Não existe informação, entretanto, de que tenha se ocupado da fortificação da vila.

A atual conformação do castelo remonta ao reinado de D. Pedro I (1357-1367), que determinou a sua reconstrução em 22 de Setembro de 1357, de acordo com a placa epigráfica de mármore sobre o portão principal. O soberano reformou o Foral da vila em 1359.


Ao que consta foi aqui que D. Pedro concebeu a ideia de tornar rainha depois de morta a sua amada Inês.

D. Fernando I (1367-1383) fez doação dos domínios da vila a D. Nuno Álvares Pereira, que por sua vez os doou a Gonçalo Eanes de Abreu.

Sob o reinado de D. João I (1385-1433), este monarca confirmou os domínios da vila e seu castelo ao Condestável D. Nuno Álvares Pereira (1428). Este legou-o, por morte, à sua filha, que o transferiu, por casamento com o duque de Bragança, aos domínios desta Casa. Neste momento de sucessão, registrou-se uma campanha de obras no castelo (1432)» ( in Wikipédia)
Postar um comentário