segunda-feira, 7 de março de 2016

Será que existe uma Arqueologia no Feminino? Uma pequena homenagem





Quando Tróia se afundou
três dias choveu areia
só um homem se salvou
no ventre duma baleia
Mas mulheres sim, ficaram por aqui, em Tróia,
e a fazer bom trabalho!
Será que existe uma arqueologia no feminino? Perguntarei …
O que a diferencia? Mais método, mais afecto, mais abrangência, mas tempo ou mais espaço? Ou apenas um mundo inteiro nas suas mãos?

Não sabemos responder, mas uma coisa estou certa, vemos as coisas acontecer!







À Inês Vaz Pinto de novo os meus parabéns pelo trabalho metódico que está a coordenar nas Ruínas de Tróia. 
E por, para além dos resultados já visíveis no sítio arqueológico, ter conseguido também levar consigo velharias que pena foi não terem sido implementadas, nessa viagem pela “arqueologia da arqueologia” que se encontra também a fazer.
Viva a sua equipa de feita de Mulheres, a Ana Patrícia Magalhães, a Parícia Brum, e que honra a memória de todas as outras que passaram por esse Sítio Arqueológico extraordinário, não podendo hoje deixar de recordar Maria Maia que abraçou lugares e divindades toda uma vida inteira.


Ana Patrícia Magalhães


Patrícia Brum

Viva o rosto que dão à Arqueologia no Feminino!

Postar um comentário